psicologia social

blogue da disciplina de Psicologia Social da FLUP

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

O domínio das Imagens

Um dos problemas dos computadores hoje em dia é a hiper-utilização de imagens nos programas informáticos, e na interacção com os utilizadores. Além de imagens desnecessárias nos sites Web, que apenas servem para gastar largura de banda, temos na interface com o utilizador um sem número de ícones gráficos que apenas são amigáveis para quem já conhece o seu significado. Assim, a aparência visual adquire uma importância maior do que a funcionalidade e a qualidade do programa em si.
Esta distorção é alimentada pela ideia (falsa) de que uma "gramática visual" tem uma compreensão mais simples do que uma "gramática escrita". Deste modo, os utilizadores são bombardeados com imagens e símbolos que em vez de servirem de metáforas adequadas ao funcionamento de um computador, são apenas uma decoração superficial [Stephenson]

sábado, 16 de janeiro de 2010

Mulheres, Sexo e Internet

Segundo a pesquisa de Harris Interactive (2009) "A importância da internet na época atual", as mulheres preferem a internet do que o sexo. Das mulheres entre 35 e 42 anos, 52% preferem ficar sem sexo por duas semanas do que ficarem sem internet durante o mesmo período, entre as mulheres de 18 a 34 anos o percentual foi um pouco menor, porém significante, quase metade delas, 49%.
Essa pesquisa foi realizada no Estados Unidos a pedido da Intel, com 2119 de adultos, entre os dias 18 e 19 de novembro.
Para maiores informações segue o link:
http://www.pcmag.uol.com.br/conteudo.php?idb=784

sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

"A privacy paradox: Social networking in the United States" "

A utilização mais acentuada das redes sociais tem vindo a preocupar cada vez mais a sociedade. Nesse sentido, Susan B. Barnes analisou diferentes aspectos do paradoxo da privacidade, apontando as suas consequências e em conclusão, realça algumas medidas que podem ser tomadas em relação à privacidade.
Cada vez mais as redes sociais são vistas como um processo de comunicação mediado no desenvolvimento das relações dos indivíduos. Este processo verifica-se com mais frequências nos jovens de modo a que, os adolescentes utilizam os sites para conhecerem outras pessoas e para explorarem a formação da identidade.
Com o crescimento da popularidade destas redes sociais, estas passaram a controlar todos os aspectos da vida humana e do comportamento social.
Nas suas páginas pessoais, os jovens revelam aspectos pessoais sobre a sua vida que estão acessíveis a amigos, pais, escola e futuros empregadores. Os limites entre o espaço público e privado não estão bem definidos pois na Internet existe uma ilusão de privacidade.
É de fácil percepção que a partilha de informação pessoal nas redes sociais é perigosa. A maioria dos utilizadores destas redes sociais (como por exemplo Facebook, MySpace, Hi5...) não têm noção do perigo que correm em fornecer determinadas informações como é o exemplo o endereço de e-mail ou a localização.
Susan Barnes explica que a solução do paradoxo não é simples e a palavra-chave para a utilização destas redes sociais é a prevenção. Nós precisamos de ser mais activos na educação uns dos outros para a utilização segura destas redes.

Será que temos um problema quando partilhamos informações pessoais nas redes sociais?

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Facebook

O facebook é um universo interessante onde podesse conhecer outras pessoas. Podemos contactar com pessoas e amigos que ja não vemos a muito tempo. Esta "Febre" pelo facebook começa maioritariamente quando vamos para universidade. Por crescer a nessicidade de estar em conctacto com os nossos "velhos" amigos e também por ser um meio de divertimento. No facebook podemos um encontrar um pouco de tudo começando que tem jogos e conversas onlineou offline. Muita gente procura o facebook para encontrar alguém para desabafar ou simplesmente para ter uma conversa que não conseguiria fazer alguém que conhece. Mas este também pode ser incoviniete no sentido que muita gengte pode aceder as nossos dados pessoais entre outros.O facebook tem pontos positivos e outros negativos. Qual será o que têm mais "peso"?

domingo, 20 de dezembro de 2009

Cidade, homossexualidade e música electrónica: do urbano ao virtual

As novas tecnologias têm tido um impacto fortíssimo nas sociedades actuais. Esse desenvolvimento foi progressivo. Este impacto não tem sido só ao nível individual, mas também grupal. Como tal, "as novas relações sociais" são estabelecidas virtualmente.
Dados todos estes factores, as minorias, as populações que são mais descriminadas e postas de parte (e por conseguinte muitos obstáculos na sua sociabilidade e integração social), tendem a expandir-se por via das novas tecnologias, uma vez que não existe um contacto directo com a sociedade.
Casos concretos do mencionado são os homossexuais e as comunidades de música electrónica.
A procura de lugares de encontro e maior interacção social sempre foi uma característica da comunidade homossexual, com o surgimento do ciberespaço, e das cibercidades, o mesmo acontece: não havendo esses lugares de interacção, eles são criados.
Os laços estabelecidos no ciberespaço facilitam encontros específicos, que podem concretizar-se no espaço das cidades reais. São muitas as listas de discussão destinadas aos homossexuais e diversas outras multiplicidades sexuais.
Segundo o estudo que foi analisado e apresentado, a música electrónica tem sido considerada como uma cultura (nomeadamente nos últimos 5 anos) na medida em que faz a utilização das novas tecnologias com o objectivo de ter uma produção simbólica: da própria música electrónica e de tudo o que provém dela (a moda, produção de softs de e-music, sites, etc.)
Apesar de existir uma enorme tentativa de interacção e integração social, estas comunidades (e muitas outras) acabam, muitas vezes, por se fechar sobre si próprias.

Ana Catarina Rodrigues Correia